Notícias e Eventos | 
Notícias
Notícias
Incêndio destruiu milhares de hectares na Serra do Caldeirão
26 Julho 2012


Na passada semana a Serra do Caldeirão foi palco de um enorme incêndio que destruiu 26.442 hectares... tendo-se assim perdido uma elevada biodiversidade característica deste local. Foram dias difíceis para todos nós, em especial para a população desta bonita Serra. O incêndio deflagrou em Catraia, na freguesia de Cachopo (Tavira) no dia 18 de Julho e só passados três dias de intenso combate às chamas, os cerca de 1.100 operacionais no terreno e a população conseguiram controlar este terrível flagelo que passou por várias povoações, destruindo tudo à sua passagem. Dentro da área de intervenção do projecto, perdeu-se uma das melhores áreas de bosque Mediterrânico da Serra, tendo sido várias as localidades afectadas – Castelão, Cabeça do Velho, Parizes, Montes Novos, Javali, Várzea do Velho, Cova da Muda e Pêro de Amigos. Dezenas de casas foram destruídas, uma centena de pessoas perderam os seus bens, milhares de hectares da paisagem Mediterrânica arderam e muitas espécies perderam as suas casas.

A Serra do Caldeirão ficou mais pobre, a população do Caldeirão ficou mais pobre, todos nós ficámos pobres. Resta-nos agora avaliar os prejuízos e aguardar que a Natureza volte a recuperar, algo que demorará o seu tempo…













* o incêndio deflagrou às 14h10 do dia 18 de Julho (quarta-feira) em Catraia, na freguesia de Cachopo, concelho de Tavira, e só foi dominado ao final da tarde do dia 21 (sábado), depois de um longo e intenso combate que chegou a mobilizar mais de 1100 operacionais, 13 meios aéreos e mais de duas centenas de veículos (in Jornal Público)
* participaram no combate às chamas corporações de bombeiros dos distritos de Faro, Beja, Évora, Lisboa, Setúbal, Aveiro, Leiria e Porto (fonte: Autoridade Nacional de Protecção Civil)
* no dia 26 de Julho, passada uma semana do início do incêndio, ainda se procedia à consolidação da extinção do incêndio (fonte: Autoridade Nacional de Protecção Civil)
* os prejuízos causados directamente aos habitantes da Serra do Caldeirão pelo fogo ultrapassa os 25 milhões de euros (in Sul Informação)
* foram afectadas 60 famílias, num total de mais de 100 pessoas (in Sul Informação)
* o fogo atingiu habitações (10 totalmente e 15 parcialmente) e anexos (55), destruindo as provisões anuais de muitas famílias e matando o seu gado (in Sul Informação)
* em São Brás de Alportel, ardeu quase toda a área de Serra – o concelho tem uma área total de 15 mil hectares e arderam 7162 hectares, correspondente a 46% do território total do concelho; em Tavira arderam mais de 19 mil hectares, correspondendo a mais de 30% da área do concelho (in Sul Informação)
* cerca de 85% da área florestal da região algarvia ardeu completamente desde 2003 (fonte: Associação Almargem)
* as causas do incêndio estão a ser investigadas…



 
Área afectada pelo incêndio




O incêndio destruiu 26.442 hectares
(assinalados no mapa a castanho)





Tavira e São Brás de Alportel foram os concelhos afectados






Parte do Sítio Caldeirão – área da Rede Natura 2000 (assinalada no mapa a verde) – foi completamente destruída pelo incêndio (Castelão, Cabeça do Velho, Parizes, Montes Novos, Javali, Várzea do Velho, Cova da Muda e Pêro de Amigos)


Fonte: Sistema de Informação Europeu sobre Fogos Florestais
http://effis.jrc.ec.europa.eu/


 
Pelo tempo que a natureza leva a recuperar o que em tão poucos dias se perdeu, muitos habitantes locais jamais voltarão a ver a Serra como sempre a conheceram… Em jeito de esperança, deixamos algumas fotos das áreas afectadas antes da passagem do incêndio, certos de que com a ajuda de todos, a recuperação será mais célere…