Notícias e Eventos | 
Notícias
Notícias
Campos de Alimentação para Aves Necrófagas, uma Rede de protecção para o abutre-preto
26 Maio 2015


No âmbito do projecto LIFE Habitat Lince Abutre, foi criada a primeira Rede de campos de alimentação para o abutre-preto do Sul de Portugal, com vista à conservação e recuperação da população desta espécie ameaçada nas Zonas de Protecção Especial de Mourão/Moura/Barrancos e do Vale do Guadiana. Esta Rede é constituída por dez campos de alimentação, cuja localização, normas de gestão e acompanhamento veterinário, visam suplementar as necessidades alimentares desta ave necrófaga e contribuir para a sua fixação na região.

Em pleno funcionamento desde 2013, esta Rede vem sendo regularmente monitorizada pelos técnicos do projecto que, com recurso a armadilhagem fotográfica automática, têm vindo a registar todas as espécies de aves necrófagas (obrigatórias e facultativas) que usufruem destas estruturas. Os resultados não podiam ser mais animadores. Para além da utilização regular dos campos de alimentação por abutre-preto, em particular na região de Mourão, Moura e Barrancos, os dados recolhidos apontam para outros efeitos positivos da presença destas infra-estruturas. Para além do abutre-preto, outras sete espécies de aves de rapina com hábitos necrófagas (cinco das quais ameaçadas) foram já detectadas nos campos, algumas das quais com regularidade.

Mas o resultado que hoje destacamos é o retorno dos mesmos indivíduos a estas infra-estruturas, um retorno que se começa a perceber continuado mas espaçado no tempo, o que atesta a importância desta Rede de campos no acesso a alimentação suplementar, sem no entanto indicar dependência por parte das aves que dela têm vindo a usufruir.

Esta conclusão apenas é possível graças ao registo fotográfico de indivíduos identificados com anilhas ou placas alares, como foi o caso do abutre-preto com marcação alar “O3”. Este abutre foi acolhido e recuperado pelo Centro de Recuperação de Animais Selvagens de Santo André e posteriormente marcado e devolvido ao seu habitat natural no final de Janeiro de 2014 no concelho de Mourão, no âmbito do projecto LIFE Inovação Contra Envenenamentos.

 


Pouco tempo depois, em Fevereiro de 2014, o abutre-preto "O3" foi fotografado num dos campos de alimentação do projecto LIFE Habitat Lince Abutre, tendo sido registado a alimentar-se no local algumas vezes durante os meses seguintes, o que terá representado uma importante fonte de alimento naquela fase de adaptação ao regresso à natureza.

 


O último registo deste abutre-preto no campo de alimentação durante o ano passado ocorreu no final de Junho, quando foi fotografado juntamente com outros abutre-pretos e grifos.

 


Agora, cerca de um ano depois, o abutre-preto “O3” foi novamente fotografado a alimentar-se no mesmo campo de alimentação, mostrando assim que continua vivo e na região, aparentemente bem adaptado no seu regresso ao meio natural.

 


Este abutre-preto não será um caso único. Mas por se encontrar marcado, este e outros exemplares permitem-nos compreender os padrões de utilização da Rede de campos de alimentação implementada pelo projecto LIFE Habitat Lince Abutre, comprovando desta forma a sua importância e eficácia na conservação desta e de outras espécies de aves de rapina necrófagas ameaçadas da região.

Terminado o LIFE Habitat Lince Abutre, a LPN - Liga para a Protecção da Natureza, enquanto entidade responsável pela coordenação deste projecto de conservação da natureza, está a assegurar a continuidade do funcionamento e da monitorização desta Rede de campos de alimentação para aves necrófagas, em articulação com os vários agentes locais que tornaram a sua implementação possível.

Se na altura não teve oportunidade de acompanhar, fique a conhecer também a história do abutre-preto “1CT”.